segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Terapia Assitida por Animais 1

O trabalho terapêutico contando com o auxílio de animais está crescendo em nosso país. Profissionais competentes têm desenvolvido projetos em vários tipos de Instituições.





O trabalho pode ser executado com crianças, adultos, idosos, sem restrição. O animal pode ser entendido como um forte elo de ligação e aproximação entre os diversos tipos de clientes e seus terapeutas. Sendo designados como co-terapeutas, trabalham sério no auxílio ao alívio dos diversos tipos de sofrimento humano. Nosso trabalho se dá basicamente com cães, mas pode ser realizado com qualquer tipo de animal, desde que seja de domínio do terapeuta e em concordância com a pessoa assistida. Como os cães estão ligados ao convívio com o homem há milênios, estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia, fato que facilita sua inserção e aceitação como co-terapeuta, embora não seja produtivo e nem indicado trabalhar com quem não queira ou não goste dos animais, sejam eles quais forem.














A facilidade no manejo dos cães e sua fácil interação com humanos fazem deles os preferidos, porém nem todos podem ser usados para esse trabalho. O perfil mais adequado deve ser extremamente dócil, gostar de pessoas e de outros animais, ser calmo e ter o mínimo de adestramento, Fica, Deita, Senta, são fundamentais para o início dos trabalhos, dizem a maioria dos livros e profissionais da área. Nossa experiência no entanto diz algo um pouco diferente. Sem dúvida o melhor e mais fácil seria que tivessem o adestramento básico, mas não é fundamental. Mais importante que isso, a meu ver é o temperamento. Alguns autores falam a respeito do cão lamber, contra-indicado em TAA (Terapia Assistida por Animais), também pude comprovar pela experiência que isso pode ser muito útil, dependendo do público atendido.









Recentemente tivemos uma experiência de trabalhar com autistas e crianças abrigadas, em ambos os casos o lamber do cão desencadeava reações de muita alegria nas crianças. Era como se esivessem se sentindo beijadas por eles, chegando alguns autistas a beijarem o cão após receberem uma lambida. Os protocolos de atendimento feitos no exterior, em muito não se aplicam aos brasileiros. Somos um povo muito afetuoso, e claro, se o atendido estiver numa condição de imunidade baixa, o lamber não deve ser estimulado, e outros comportamentos ocupam seu lugar. Porém se não for esse o caso, as lambidas podem estímulos muito adequados, conforme a direção do processo terapêutico.











Mesmo os cães tendo o controle de saúde, vacinação, vermifugação e parasitológico rigorosamente estabelecidos, o bom senso deve imperar, e normas de biossegurança estão a cima de qualquer intervenção.











Se você se interessou pelo trabalho e quiser dar uma espiadinha na prática, indico os links abaixo, onde pode-se ver equipes de TAA em ação. Aproveite as imagens!!!






































domingo, 22 de fevereiro de 2009

Irmãos de criação, meio irmãos, pai e filha, a matilha

Cães se relacionam e se socializam à medida que interagem uns com os outros. Dhurval tem algumas e poucas indisposições, uma delas é a Biju sua filhota, não gosta nada nada de brincar com ela. Já o Júnior adora. Quando estão juntos é um rala e rola que ninguém decifra quem é quem. Júnior no entanto anda com um comportamento ruim em relação às pessoas, não gosta de carinho. Não morde, mas rosna e sai de perto quando recebe um agrado, seja de quem for. Inúmeras tentativas foram feitas, mas ele não melhorou ainda e eu não desisti. Mas apesar do mau humor trabalhou bem com as crianças do Abrigo no final de 2008 como co-terapeuta.






Ambos com quedas pela psicologia!







Dhurval é todo solícito com pessoas e animais na maioria das vezes. É delicado, meigo e alegre, abanando o rabo sempre que caminha em direção à alguém. Maphalda era o grande enígma, como se comportaria em casa com eles? Com o Júnior não há acordo, como vocês podem ver nos filmes...O desejo de liderar impera sobre ele. Ela, nem liga, mas não se entrosam. Já com o Dhu a cumplicidade é total, apesar dos 25kg de diferença conseguem brincar sem ninguém se machucar e quem chama para a farra é ele!





video

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

A vingança da Uva

Se você não entendeu o título desta postagem, sugiro que leia a postagem "Minha primeira uva", duas postagens abaixo. Nela a doce e meiga Maphalda é literalmente roubada. A uva, que para ela até então era uma bolinha, foi sorrateiramente COMIDA pelo Júnior.
Considero a vida com cães aventura e diversão constantes. Maphis, como é carinhosamente apelidada não é de guardar rancores, mas veja só o que ela faz com o pequeno Júnior ladrãozinho de uvas, logo no dia seguinte, antes do nosso passeio diário...
video

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Serra Negra
Havia chovido na noite anterior, e como não podia ser diferente a chuva voltou à tarde daquele sábado...













Chegamos e a terra com cheiro de terra molhada nos aguardava. Ringo o mais novo amigo dos cães logo se manifestou latindo no portão. Um filhote lindo de pastor alemão de 8 meses, logo veio nos recepcionar.



Todos se agitaram muito dentro do carro e responderam aos latidos com outros latidos. Maphalda atrás do banco do motorista emitia seu latido grave e forte enquanto Dhurval e Júnior só ouvindo latiam agudamente se mexendo prá lá e prá cá no banco traseiro.













Após entrarmos soltamos os três para conhecerem Ringo de perto. O cão se apaixonou literalmente pela loira Maphalda e logo na primeira cheirada a chamou para a brincadeira e começaram a correr pela grama molhada da chuva de ontem. Júnior inconformado tentava alcançá-los em vão! Corria como um louco atrás dos dois. Dhurval, só observava.













Júnior inconformado com a movimentação, resolve correr atrás dos dois e fica literalmente exausto e IMUNDOOOO!!














O apaixonado, não desiste e volta para ver Maphalda.






Nosso LORD INGLÊS, praticamente suja só as unhas...













Já a barraqueira....

















Nada que um bom banho de mangueira não resolvaaaa!!!


sábado, 7 de fevereiro de 2009

Minha primeira uva!

Animais são diversão garantida. Quando menos se espera eles aprontam alguma! Golden Retrievers são, em sua maioria, LOUCOS POR BOLINHAS, BOLAS E BOLÕES. Não importa o tamanho, a cor, a textura, o estado, o importante é rolar, rolar, rolar, até eles se acabarem... Lhasa Apsos no entanto são considerados guardiões do Tibet (região de origem), cães tranquilos que acompanham monges.
Outro dia resolvi dar uma uva à doce e meiga Maphalda, que não entendeu nada e começou a brincar, mordia, mordia, brincava com a pata, novamente mordia, e novamente brincava, até que o espertinho do Jr. aparece e... só vendo o trecho abaixo: video
Mas ela parece que aprendeu, a uva vai, a uva volta, vai novamente, volta, mais uma vez e de novo volta, mas depois de uma série de tentativas consegue finalmente!

video

Viagens 2




Começamos 2009 com pique total! Fomos conhecer um lugar especial em Santa Isabel, interior de São Paulo chamado Adventure Park e quem nos "levou " até lá foi o pessoal do Turismo Quatro Patas. Uma empresa criada pela Larissa Rios com o intuito de proporcionar viagens inesquecíveis com nossos companheiros caninos.
O passeio em Santa Isabel se constituiu numa pequena trilha onde os peludos puderam andar soltos, farejar tudo ao seu redor, descansar à sombra fresca, se esfregar na terra molhada da chuva de ontem, um mergulho na cachoeira, tudo assim muito próximo da natureza! Uma integração total de cães e donos.
Dhurval fazendo xixi e novos amigos (forma estranha, né?)
Ah, e revendo amores antigos. Hillary seu primeiro amor, mãe do Júnior também esteve presente!
Depois do aquecimento: pés e patas na estrada!!! Depois de alguns obstáculos, pontes, ribanceiras abaixo, tombos de humanos, troncos, uma paradinha na sombra para fotos e água, muita água, mas nada perto do que ainda estava por vir...
Júnior, não viu os patos, então resolveu ficar de fora! Dhurval achou a água muito fria, mas MAPHALDA...
video

Apesar de não terem entrado na água, ficaram deliciosamente sujos e segundo as más linguas HUMILHADOS!! Que horror parecem cães fugidos do cemitério maldito!! Nada que um bom banho no petshop não resolva!
Quero mais mergulho, bolinha, mergulho, bolinha, mergu...me soltaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

O Caminhar...

Pegadas e passos se constroem de forma dinâmica. Se você já experimentou a sensação de andar com cachorros sentindo o vento bater e eriçar seus pelos do braço sabe exatamente do que estou falando. Sentir a brisa do mar, o barulho das ondas...


Seguindo com uma integração completa onde os batimentos cardíacos se alinham e a respiração se torna única com o Universo e eles vão junto. O silêncio das patas e dos passos amassando a areia fofa num prosseguir contínuo que leva ao total relaxamento. O coração se aquieta, não há pensamento algum. O caminhar é um eterno sentir... Leve, livre, descompromissado...


Eles sabem, eles sentem, são nossos anjos companheiros de caminhada.






Palavras são desnecessárias, pássaros, carros, pessoas, barulhos e tudo ao redor apenas figura na paisagem de fundo e caminhamos.

Do balanço das ondas para dentro da realidade do outro lado. Autistas, idosos, doentes corporais e mentais, sindrômicos, sãos, lembrados, queridos, odiados, esquecidos... Nada importa, estamos indo e lá vamos brincar de trabalhar!






E aumentar a beta-endorfina, beta-fenilanina, prolacina, dopamina, oxitocina e reduzir o cortisol dos nossos amigos humanos que tanto necessitam dessa interação!
Trazer de volta o sorriso no rosto do abandonado, do maltratado, do culpado, do violentado, do maldito e bendito, não importa eles DEMONSTRAM que nada importa, apenas estar!






segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Viagens 1










Amigo leitor, viagens são nosso divertimento predileto, aliás claro que não é exclusividade nossa rsrsrsrs.
Desde que Dhurval veio para o convívio de nosso lar, procuramos levá-lo à todos os lugares e assim não foi diferente com Júnior e Maphalda (doce e meiga). Nos dias atuais é relativamente fácil conseguirmos ficar em hotéis que aceitam pets. Há algumas dicas em sites relacionados à cães que ajudam nessa busca. Nossos destinos nacionais preferidos nesses 4 anos de convivência canina, tem sido: Monte Verde, São Roque, Serra Negra. Em uma das últimas viagens à São Roque o divertimento foi garantido. Num hotel estilo rural que ficamos havia um lago, além de pscina, playground, e muita área verde. A atração principal para os cães foi o lago, principalmente para o 7/8 como chamo carinhosamente nosso herói Júnior de 3 patas. Chegando próximos ao lago ouvimos um barulho bem alto de patos e ao nos aproximarmos os sons iam ficando mais forte, até que ao avistar o lago completamente vimos uma dezena de aves nadando e se divertindo. Eis, que Júnior, foi se aproximando, aproximando, e num piscar de olhos atirou-se na água à captura dos amiguinhos barulhentos. Nós, na beira do lago em desespero, chamando para que ele voltasse e rapidamente voltou enquanto um par de tênis ia sendo tirado para ir em seu resgate. Ufa, o danadinho mesmo com 3 patas nadou uns 5 metros. Consegui segurar Maphalda, mas Dhurval se empolgou e chegou a arriscar um mergulho. Depois de baixada a adrenalina da gritaria e do pânico, descansamos à sombra de uma árvore.


video


ELE, logo após o mergulho, SAFADOOOO!!
Rimos muito de tudo e voltamos à parte social do hotel, e a cada passo aumentava o som de crianças brincando na água, eis que a doce e meiga Maphalda corre à nossa frente e sem que consigamos pensar ou agir: se atira na piscina no meio da criançada. Como nossos anjos da guarda estavam de plantão, as crianças adoraram, mas a retiramos da água mesmo assim. Esse não foi possível filmar, só ficou na memória.

Quem sou eu

Minha foto
Santos, SP, Brazil
Rosanna Ré – Psicóloga, psicoterapeuta de orientação sistêmica, formada pela Universidade Paulista UNIP, com especialização em Psicologia Sistêmica para atendimento de casais e famílias pela PUC-SP. Formação em PNL pela ABPNL Formação em Terapia Transpessoal pela DEP Experiência Clínica de 25 anos. Trabalho de 5 anos com Terapia Assistida por Animais CRP 06/106.383